#ONFS

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Sobre as nuvens que continuam fazendo sombra #ONFS

Muitas pessoas têm colaborado e me apoiado nessa empreitada da primeira publicação. Algumas delas tive o prazer de conhecer na Academia Passo-Fundense de Letras, que prontamente ofereceu seu espaço físico para o lançamento do meu livro, além de todo o apoio que eu viesse a necessitar. Uma dessas pessoas é o Paulo Monteiro, escritor Passo-Fundense e acadêmico da APFL, que resenhou meu livro "Onde as Nuvens Fazem Sombra". A resenha do Paulo, disponível no perfil do mesmo no facebook e compartilhada na página do livro (link abaixo), dá uma visão um pouco mais criteriosa da obra, revelando alguns pontos implícitos dela.
Realmente acredito que o grande quê desse livro é o fato de que ele destoa do padrão amplamente difundido nos últimos tempos na literatura fantástica, obras que dividem os mesmos lugares mágicos e seres de todos os tipos. O universo de ONFS esbarra no real, em lugares e pessoas comuns que se tornam vítimas de elementos considerados estranhos no nosso dia-a-dia, que vão definir, então, a fantasia na qual se enquadra. 
Usando nomes de lugares e personagens cujas origens são latinas, tentei deixar explícita minha inspiração na literatura feita aqui ao sul do mundo, em autores de língua portuguesa e espanhola. Nossa literatura é magnífica, e passa do tempo dos novos autores darem vazão à ela. Caminhando sempre com as minhas próprias pernas, claro, que como bem dito pelo Paulo, aprecio a criação toda vida diante da cópia. 
Há uma concordância quase generalizada e, grande parte das vezes, infundada, de que a literatura do Brasil é mal feita e perde nesse mesmo cenário para outros países ou mesmo autores de outros continentes. A literatura feita por jovens, então, é a principal vítima desse pensamento ignorante, concebido geralmente por despercebidos não só do cenário contemporâneo da nossa arte, cheia de destaques e nomes em ascensão, mas do contexto geral no qual nos incluímos. Temos autores cada vez mais diversificados, a literatura jovem tem mostrado valer a pena. A literatura brasileira sempre valeu a pena e continuará valendo.
Mas desabafos à parte, "Onde as Nuvens Fazem Sombra" não é um livro para ser lido na literalidade, mas entendido nas entrelinhas. Como o Paulo diz muito bem, há muitos pontos escondidos dentre as mortes, vidas e nascimentos dos personagens, brincando com passagens bíblicas, como a da criação do mundo. Agradeço ao Paulo Monteiro pela resenha muito bem elaborada. Não deixem de conferir!(https://www.facebook.com/ondeasnuvensfazemsombra/posts/1482369038749255)

Nenhum comentário:

Postar um comentário